Paralamas
Forever
 
Agenda
A Novidade
A Paralamas Forever
Biografia da Banda
Clipes
Curiosidades
Discografia
DVD / VHS
Entrevistas
Festival Montreux
Fotos
Grammy
História
Inéditas e Regravações
Links e Mídias Sociais
Reportagens
VMB
Um a Um
E-mail
Home

 

PARALAMAS FOREVER


Design Gráfico:
Gilcemar Alves

Diretor e Responsável:
Rafael Michalawski

No ar desde:
15/11/1998

Página não-oficial dedicada a maior banda brasileira, Os Paralamas do Sucesso
 

Facebook Oficial Twitter Oficial











 


Curiosidades

 

1.  Prêmios dos Paralamas 5.  Paralamas censurados
2.  Vendas de Discos 6.  Homenagem na Favela da Maré / RJ
3.  A história de Lanterna dos Afogados 7.  Acidente de Moto - Herbert Vianna
4.  Vovó Ondina foi gente fina 8.  Curiosidades Gerais

 

1. Prêmios que os Paralamas receberam

Os Paralamas recebem dia 07 de novembro de 2007, na cerimônia do Grammy Latino, um prêmio de LENDA DA MÚSICA LATINA, concedida a artistas que desenvolvem sua música de qualidade no mercado latino.

Veja aqui a lista de alguns prêmios recebidos pelos Paralamas. Veja também todos os prêmios recebidos pelas banda no VMB Brasil da MTV e no Grammy Latino.

 

- Dezembro/2009: Melhor Grupo segundo a APCA (Veja Notícia)

- Outubro/2009: A música "Alagados" foi citada como uma das mais importantes da história da música brasileira (ficou na 63. posição) em eleição feita pela Revista Rolling Stones.

- Março/2003 - Numa pesquisa realizada pela Revista Zero, foram eleitos os 25 melhores discos de Rock Brasil. Selvagem? ficou em 6º e O Passo do Lui em 11º, além de terem sido citados os discos: Cinema Mudo, Os Grãos e Severino.

- Janeiro/2003: Prêmio O Melhor do Pop Nacional - Longo Caminho é eleito o 2º melhor disco do ano !!

- Janeiro/2003: Site Omelete - Longo Caminho é eleito o melhor disco do ano !!

- Janeiro/2003 - Revista MTV - Numa lista dos 100 mais significativos discos brasileiros, escolhidos por artistas e jornalistas - O disco SELVAGEM? ficou em 11º lugar

- Dezembro/2002 - Site Roquenrou !!! Paralamas foram eleitos a 3ª melhor banda nacional e o CD Longo Caminho ficou como o 3º melhor disco de 2002 !!

- O disco 9 Luas foi escolhido pela CD NOW como um dos 10 mais importantes de toda a história do rock latino-americano.

 

PRÊMIO MULTISHOW 

2011: Melhor Instrumentista - João Barone

2006: TOP 5 na Categoria Melhor VideoClipe ("Na Pista")

2004: Categoria Homenagem - Herbert Vianna

2003: Os Paralamas concorriam como: Melhor Show, Melhor Grupo, Melhor DVD e Melhor Instrumentista (João Barone). Arrebatamos os prêmios de Melhor Grupo e Melhor Instrumentista com João Barone !!! Veja mais no CliqueMusic.  

2001: Melhor Música - Se eu não te amasse tanto assim - Ivete Sangalo (Letra: Herbert Vianna/ Paulo Sérgio Valle)

1999: Melhor Instrumentista - João Barone

1996: Melhor Grupo

 

PRÊMIO DA MÚSICA BRASILEIRA (ex-Prêmio Shell e ex-Prêmio Tim)

- Melhor Grupo: 1988, 1991, 1995 e 2010

- Melhor Música: 1996 (La Bella Luna do Disco 9 Luas)
 

2. Vendas de Discos

Cinema Mudo (1983) 90 mil 9 Luas (1996) 550 mil
O Passo do Lui (1984) 250 mil Lata Pólvora (1997) 5 mil*
Selvagem? (1986) 600 mil Hey Na Na (1998) 250 mil
D (1987) 170 mil Acústico MTV (1999) 500 mil
Bora-Bora (1988) 200 mil Arquivo II (2000) sem dados
Big Bang (1989) 210 mil Longo Caminho (2002) 300 mil
Arquivo (1990) 420 mil Uns Dias ao Vivo (2003) sem dados
Os Grãos (1991) 100 mil Hoje (2005) - CD 80 mil
Severino (1994) 55 mil Biografia Vamo Batê Lata 3 mil
Vamo Batê Lata (1995) 900 mil Hoje ao Vivo (2006) - DVD 20 mil

* A Lata Pólvora foi comercializada em edição limitada de apenas 5 mil peças.

3. A história de Lanterna dos Afogados

Quer saber de onde surgiu a história de Lanterna dos Afogados. Leia as palavras do próprio Herbert. Texto gentilmente cedido por Olivia, retirada da revista Vinho Magazine.

"Certa vez, saí com uma namorada para jantar. Sentei na moto, ela começou a conversar mas pedi que não falasse mais nada porque estava vindo a melodia e a letra na cabeça. Quando chegamos ao restaurante, em Ipanema, o garçom logo veio para anotar o pedido. "Papel e caneta, rápido, por favor foi o que pedi", lembra o compositor.

Naqueles dez minutos de moto entre a minha casa e o restaurante, a letra apareceu inteira", conta Herbert. A música emplacou. Era "Lanterna dos Afogados".

4. Vovó Ondina foi gente fina

"Vovó Ondina é gente fina/ Valeu vovó !!!" Vovó Ondina, faleceu no fim de 1999 aos 95 anos. Homenageada no primeiro LP da banda, Cinema Mudo de 1983, com a música Vovó Ondina é Gente Fina, a avó do Bi foi a grande protetora dos meninos, cedendo um quarto de seu apartamento na Rua Souza Lima, em Copacabana, para eles ensaiarem desde quando Herbert e Bi fizeram os primeiros ensaios no começo dos anos 80, o Bi com o baixo que ela lhe deu de presente e um colega de colégio, o Vital, que nem bateria tinha e batia até em fundo de gaiola.

"Chamaram a polícia, mas que barra/ desliga essa guitarra que a coisa está indo de mal a pior/ são 30 soldados contra uma vovó", diz a letra. Realmente, um dia os vizinhos convocaram a lei e um policial, não 30 como exagerou Herbert, bateu na porta para acabar com a festa que, a bem da verdade, acontecia nos finais de semana na parte da tarde, estendendo-se até as 22h, quando a vovó mandava a rapaziada terminar os trabalhos. "O guarda disse que a clínica de psicologia estava reclamado do barulho e a mamãe falou que se ela não podia tocar, a clínica também não podia funcionar e indagou se ele sabia se a clínica tinha licença para funcionar. Resumindo, o guarda acabou dizendo que tocava violão, que achava aquilo um barato, que não tinha nada contra e a mamãe ainda convidou-a para um café", conta Luciana Medeiros, filha dela e mãe de Bi.

Na hora em que pintou o interesse pela música, ela cedeu o espaço e mantinha a geladeira cheia para alimentar seus meninos. E não eram só os nascentes Paralamas, mas uma verdadeira turma que invadia o apartamento da vovó e nos ensaios eram encenados esquetes músico-teatrais, como conta Bi: "Era uma coisa quase que teatral que o Herbert ia narrando, tipo uma stripper, Aurinha, que usava sete calcinhas, era muito engraçado. Tinha músicas como Os pingüins já não os vejo porque já não está na estação, Mandingas de amor, que a gente chegou a gravar, mas depois deu pra atrás, Candongas rurais, tinha umas músicas assim, era uma coisa muito divertida".

Autor do texto: Jamari França

5. Paralamas sofreram censura pela música "Luís Inácio e os 300 Picaretas"

Foi aberto um processo na justiça contra os Paralamas devido a música Luis Inácio (300 Picaretas) do CD Vamo Batê Lata. O processo foi aberto pelo então deputado federal Bonifácio Andrada (PPB-MG). Veja entrevista à Folha de SP.

Folha - A polêmica em torno da música Luiz Inácio (300 Picaretas) tocou no quê?
Herbert Vianna - No fato de um congressista tomar uma atitude arbitrária, quando ninguém pensava que isso ainda pudesse existir e que partisse do Congresso, que tinha livrado o Brasil da censura com a Constituição de 1988. Havia pequenos indícios dessa tendência. A censura da obra da Bia Lessa, no Rio, os rumores da volta de uma salinha para analisar a TV, em Brasília, a Hebe censurada pelo seu próprio canal de televisão... A música catalisou tudo.

Folha - Agora, no interior de Minas, a música Vira Vira, dos Mamonas Assassinas, foi censurada. Você acredita que a censura voltou?
Herbert - Fico surpreso. Depois do que aconteceu com a gente, pensei que isso tinha mudado.

Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone receberam o título de Cidadão Honorário de Brasília em abril de 2003, quando foram recebidos pelo presidente Lula. A Câmara estava lotada e Herbert ao violão cantou trechos das musicas 300 picaretas, Alagados, o Calibre, Assaltaram a Gramatica e Meu Erro no plenário da Casa.

"Ele (Lula) sempre foi um cara super batalhador, do bem, e o fato de ele, hoje, estar na Presidência da República, representa muito na sua trajetória de vida, da força de trabalho, do básico, da estrutura social brasileira", ressaltou Herbert.

Em 28 de julho de 2005, o jornal O Globo fez uma pesquisa para descobrir "Qual música nacional melhor define a atual crise política do mensalão?".

Luís Inácio (300 Picaretas) foi a 2ª mais lembrada (com quase 20% dos votos), atrás apenas da música "É Ladrão que não acaba mais", de Bezerra da Silva.

6. Paralamas recebem homenagem na Favela da Maré

Herbert Vianna chorou a caminho da Maré e extravasou a emoção no palco. Os Paralamas do Sucesso fizeram a festa da comunidade da Baixa do Sapateiro, tocando dia 26/05/2005 para 400 pessoas na inauguração da Lona Cultural Herbert Vianna, no complexo de favelas citado na famosa canção Alagados, de Herbert.

"Isso aqui está acima do que eu posso verbalizar, poder dividir esse momento com uma rapaziada tão do bem. Vamos celebrar", disse Herbert à platéia que gritava seu nome. E começou a apresentação ao lado do baterista João Barone e do baixista Bi Ribeiro com duas canções de letras fortes sobre violência: O Calibre ("eu não sei de onde vem o tiro") e Selvagem ("a polícia apresenta suas armas"), com citação da música Polícia, dos Titãs. E a platéia cantou junto o refrão: "polícia para quem precisa de polícia".

Antes do show, cercado por fãs da favela ao tirar o pano da placa com seu nome, Herbert afirmou com os olhos molhados: "Vindo para cá, as lágrimas jorraram ao me imaginar cantando Alagados na Maré".

No camarim, o músico lembrou dos tempos em que estudava Arquitetura no Fundão e passava na frente à comunidade que inspirou Alagados. "Tracei um paralelo com a pobreza de Trenchtown, na Jamaica, tentando abrir as portas do preconceito com a favela, onde também há vida, há mães e pessoas batalhando pela alegria".

A música-homenagem fez o público delirar. Herbert presenteou um jovem músico local com uma guitarra e João Barone doou uma bateria à lona.

Fonte: O Dia

7. Herbert já sofreu acidente de moto

Em abril de 1989, Herbert Vianna, então com 27 anos, foi atingido violentamente por um veículo quando dirigia uma moto de 600 cilindradas. Ele sofreu escoriações por todo o corpo e fraturou o braço esquerdo. O acidente só não foi pior porque ele estava protegido por um capacete.

Após assistir a um show do cantor Fausto Fawcett, em São Paulo, Herbert seguia para a cidade de Parati (Rio de Janeiro). Pretendia descansar e se preparar para uma excursão que o grupo faria pelo Brasil em maio daquele ano. No meio do caminho, o acidente. "Eu me machuquei bastante. Tanto que o motorista do caminhão nem acreditou quando me viu levantar. Olhou para mim e disse que eu havia nascido de novo", disse o músico em entrevista à revista Contigo dias após ao acidente.

Herbert se manteve tão tranqüilo que, mesmo todo machucado, dispensou o caminhoneiro, pegou sua moto e percorreu mais 60 quilômetros até Caraguatatuba (litoral norte paulista), internando-se num hospital da cidade. "Foi uma coisa horrível, eu sentia dores terríveis, tinha a impressão de que nunca chegaria ao pronto-socorro", disse traumatizado. A única preocupação que tinha no momento era com a turnê da banda, que estava no auge da carreira. "Lamentavelmente, ficarei seis semanas de molho", reclamou. Dois meses depois, Herbert fez shows pela Europa.

8. Curiosidades Gerais

- A música "O Amor não Sabe Esperar", do disco Hey Na Na, seria gravada com os vocais de Tim Maia. Mas, infelizmente não deu ... E, a música acabou ganhando os divinos vocais de Marisa Monte.

- No Acústico MTV, os Paralamas iriam regravar a música "Eu Sei" da Legião Urbana. Mas, como recentemente a música havia sido gravada pelo Pato Fu, no disco Televisão de Cachorro, os Paralamas optaram pela regravação de "Que País e Esse?".

- O pequeno cartaz divulgando o primeiro show oficial da banda anunciava: "Western Club vergonhosamente apresenta Os Paralamas do Sucesso. Rock".

- Em 1984, eles fizeram uma turnê com Jimmy Cliff. Abriram shows em várias capitais e como tinham poucas músicas no repertório, cantavam Inútil, do Ultraje a Rigor, Química e Ainda é cedo, do Legião, e também coisas do Lobão e do Lulu Santos.

- No festival de Montreux, em julho de 1987, quando foi gravado do álbum D, a banda tocou uma música de João Bosco, que não entrou no disco porque Herbert errou a letra inteira.

- No Carnaval de 1990, os Paralamas deram uma canja no Trio Elétrico Crocodilo.

- Em algumas apresentações, os Paralamas chegaram a voltar seis vezes ao palco.

- Herbert apostou com a EMI, gravadora do álbum Selvagem?, que o disco não venderia 500 mil cópias. Entretanto, foram vendidas mais de 600 mil cópias. O cantor pagou a aposta: correu dentro da gravadora totalmente nu.

- Num show da turnê do disco Big Bang, Herbert apresentou ao público uma guitarra Gibson Doublé-neck 6/12, na cor cherry wine. A fábrica pediu dois meses para produzir a guitarra encomendada, que tem dois braços: um com seis cordas e outros com doze. A primeira vez que esse tipo de equipamento subiu a um palco num show de rock foi nas mãos de Jimmi Page, do Led Zepelin, para a execução da música Stairway to heaven, considerada um clássico.

- Shopstake (música do CD Cinema Mudo) era o nome de um bar no Rio de Janeiro.

- Alguns dos nomes que a banda podia ter tido: "Os Cadeirinhas" e "As Plantinhas da Mãe". O objetivo era ser o nome mais ridículo possível. O nome "Paralamas do Sucesso" foi dado por Bi Ribeiro.

- Herbert Vianna foi quem sugeriu o nome do grupo Biquini Cavadão (Fonte: Bruno Gouveia)

- Herbert Vianna foi quem sugeriu o nome do personagem "Paralaminha" de Maurício de Sousa. O personagem é um garoto deficiente físico.

- Em outubro de 2003, os fãs da MTV elegeram as bandas mais marcantes da história da emissora. Os Paralamas ficaram em 3º lugar, atrás do Capital Inicial e do Sepultura.

- A Legião Urbana prestou uma homenagem à mulher de Herbert Vianna, Lucy Needham Vianna. A inscrição "In memorian Lucy Needham Vianna" encerra o encarte do álbum ao vivo "Como é que se diz eu te amo" – ao lado das tradicionais Urbana Legio Omnia Vincit e Ouça no volume máximo. Os Paralamas também são lembrados em uma das músicas. Antes de cantar "Geração Coca-Cola", Renato Russo diz que a Legião foi apadrinhada por Herbert, Bi Ribeiro e João Barone. "Eles entregaram uma fita com essa música e o pessoal gostou. Agora a gente vai tocar essa música como eles ouviram na época", recorda Russo que ainda elogia os amigos: "Vocês são nossos padrinhos. Nunca se esqueçam disso !!"

- Herbert Vianna foi o compositor mais tocado no Brasil em 2004 - Segundo o Ecad, Escritório Central de Arrecadação e Distribuição.

- Bi Ribeiro inaugurou no dia 12 de agosto de 2005 um bar. Localizado em Brasília, na 409 Asa Sul. O nome é Alemão, ORILLY PUB.

- "Todo Carnaval tem seu fim" do Los Hermanos, ficou em 2º lugar na votação do site oficial que definiu a regravação da música Deus lhe Pague no CD Hoje. A informação foi confirmada por Bi Ribeiro em entrevista à Rádio Eldorado FM/RJ em abril de 2006.

- A Escola de Samba MANGUEIRA cantou os ritmos mais famosos da música brasileira no seu desfile de Carnaval 2010. Com o enredo "Mangueira é música do Brasil", a verde-e-rosa contagiou a avenida com o refrão "chegou, a Mangueira chegou" e exaltou suas cores ao criar uma chuva de papel picado sobre as arquibancadas no início e no fim do desfile. Para contar a história da música brasileira, a Estação Primeira abriu seu desfile com a bossa nova de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, homenageados com grandes esculturas em carros alegóricos. A Jovem Guarda, o rock do RPM e dos Paralamas do Sucesso, o sertanejo e o baião foram outros ritmos apresentados na avenida, no enredo com o qual a escola espera melhorar a sexta posição do Carnaval passado e levar o título que não comemora desde 2002. Clique e veja a fantasia da ala especial dedicada aos Paralamas !!!

 

Voltar p/ HOME